Nacionais


47 % OFF

As Cariocas

R$15,00

R$7,99

Sucesso! Você tem frete grátis
Frete grátis a partir de R$99,00
Entregas para o CEP:

Frete grátis a partir de R$99,00

Compartilhar:

Data e local de produção
Ano: 1966
País: BR
Cidade: São Paulo
Estado: SP

Produção: Barros, Fernando de
Produção executiva: Miranda, Alberto
Produtor associado: Wallfilme; A.A.F. Produções Cinematográficas - SP
Gerente de produção: Orlando, Ramires
Direção: Barros, Fernando de; Khouri, Walter Hugo; Santos, Roberto
Direção de fotografia: Aronovich, Ricardo
Câmera: Aronovich, Ricardo
Edição: Barro, Máximo; Fernandes, Guadalupe; Renoldi, Sylvio

 

Baseado no livro homônimo de Sérgio Porto – o popular Stanislaw Ponte Preta – e dividido em três episódios, o filme buscava imitar no espírito da obra literária a crônica urbana, da cidade-síntese do país e mais especificamente das mulheres – ou de tipos femininos – que povoavam a cidade.

“As Cariocas” utiliza três histórias do livro, que possui originalmente seis. Uma quarta história, “A Donzela da Televisão”, viraria em 1970 “Em Busca do Susexo”, restando “A Desquitada da Tijuca” e "A Currada de Madureira", inéditas em adaptações para o cinema.

Coube a Fernando de Barros recriar “A Grã-Fina de Copacabana”; a Walter Hugo Khouri, no ano de “Corpo Ardente”, materializar “A Noiva do Catete”; e a Roberto Santos, uma livre interpretação de “A Desinibida do Grajaú”.

O primeiro episódio, de Fernando de Barros pouco acrescenta além da montagem dos fatos narrados no conto “A Grã-Fina de Copacabana”. Quase nada recria, sendo, coincidentemente, também o texto mais fraco do livro: Paula (Norma Bengell), uma dondoca da Zona Sul, faz acordo com um escroque, Cid (John Herbert), para conseguir o automóvel importado que deseja.

O terceiro e último episódio, dirigido por Roberto Santos, é sem dúvida o melhor. Adaptando o texto “A Desinibida do Grajaú”, Roberto reformula a personagem, deslocando Marlene (Íris Bruzzi) para a Penha e inventando um programa inquisidor de tv (já na Tv Globo, recém-inaugurada), no qual Marlene espia seus pecados de garota da Zona Norte que, ao virar “celebridade”, adquire os hábitos avançados da Zona Sul, causando conflitos no conservador bairro de origem.

Siga-nos: